18-05-2005

Trajano Sardenberg

Attempting to say something without saying it : writing haiku in health care education (Tentando dizer algo sem dizer: empregando Hai-cai na educao em cuidados com a Sade)

Autores: FC Biley e J. Champney-Smith

Revista: Medical Humanities, 2003, 1: p. 39-42 (Edio do The Journal of Medical Ethics)

Abstract:

Over a number of years the authors have been running short haiku writing workshops and have been using haiku as an evaluation tool. This paper describes those experiences and uses the haiku generated in these workshops to illustrate how this poetic form can be used as for example, part of the process of reflection, to explore emotional and practical issues related to clinical health care practice, to refine writing skills and precision and, it is hoped, to convey to others the essence of the experience of health care provision, education and, perhaps, health, illness, and disease.

(Comentado por: Trajano Sardenberg, professor do Departamento de Cirurgia  e Ortopedia da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp

Resumo/comentrio:

O Hai-cai um poema japons pequeno composto por trs versos, o primeiro e o terceiro com sete slabas e o segundo com cinco slabas, sem necessidade de rima. Sua popularidade no Japo ocorreu no sculo XVII. Ele possibilita o que o nome do artigo diz: tentar dizer alguma coisa sem diz-la.

O artigo de Biley e Champney-Smith, professores da Universidade de Wales, no Reino Unido, relata a experincia do uso de Hai-cai em trabalhos educacionais com alunos de enfermagem e com enfermeiros que estudam ou trabalham na rea de sade de adultos ou de doenas mentais.

A utilizao do Hai-cai ocorre em oficinas de trabalho e estudo dentro do Curso Geral de Artes e Humanidades nos Cuidados com a Sade. Durante os oficinas, que duram aproximadamente uma hora, os alunos so orientados sobre as tcnicas de escrever Hai-cai, utilizando-se vrios exemplos de poemas. Posteriormente, so divididos em pequenos grupos para criarem Hai-cais, tendo como temas de reflexo e inspirao aspectos relativos ao trabalho como enfermeiro e com o processo de aprendizagem em enfermagem. Posteriormente h declamao dos poemas e debates sobre os sentimentos dos autores e demais membros da oficina.

Os autores relatam que, no incio, os alunos apresentam timidez e relutncia em escrever os Hai-cais. No entanto, em pouco tempo essas restries so superadas, havendo participao ativa dos presentes,  com aplausos espontneos para alguns poemas.

A utilizao de literatura no ensino na rea de sade no novidade. Do mesmo modo, h vrios exemplos do uso de outras formas de arte no processo de ensino na rea de sade, como pintura e msica. As artes, dentro dessa viso, podem exercer relevante papel na busca de uma viso holstica da natureza dos cuidados da sade e em educao na sade.

O artigo apresenta vrios exemplos de Hai-cais realizado por alunos de enfermagem ou enfermeiros que participaram das oficinas de trabalho dentro do curso. Observa-se que os poemas so extremamente interessantes e refletem de modo claro as emoes e as expectativas dos participantes.

A titulo de ilustraes apresento alguns Hai-cais citados no artigo, em traduo livre.

Cinco semanas de vida
Na ltima, o paraso acima,
Mas eu ainda estou aqui.
(Sylvia)

Aqui estamos de novo
Faculdade importante?
Pergunte s corujas e no s lesmas
(Adam)

L fora o sol brilha,
Aqui, as mos seguram as pernas, ela chora
demais para suportar sozinha
(Cheryl e Paddy)

O beb nasceu de noite,
Sem movimentos, sem vida.
A chuva cai, a lua brilha.
(Mary).)

Veja o ndice completo desta edio da Medical Humanities.

(11) 5908-5647 cbio@cremesp.org.br

Sub-sede: Rua Domingos de Moraes, 1810 - Vila Mariana - São Paulo/SP - 04010-200

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO - (11) 5908-5600 das 8h às 20h

HORÁRIO DE EXPEDIENTE - das 9h às 18h